O que gera o “lead”? | Fit Media

Acreditar que a geração do lead, é somente creditada ao last click, é uma total incompreensão e desconhecimento do real momento do big data.
É como se desse credito a venda do carro, somente pelo vendedor, ou da compra do pão somente pelo padeiro, é colocar a responsabilidade e resultado somente na última interação antes da execução do fato, seja ele compra, venda, locação, cadastro, etc.
O fato é que na história de toda a comunicação, não podemos desconsiderar todas as variáveis do resultado, seja ele, oportunidade, histórico, comunicação ou outros. O que podemos somente pontuar como competência ou incompetência do resultado, sendo que o last click seria a fachada ou a apresentação do seu PDV e o seu site cumpriria o papel de vendedor, se no caso o seu vendedor, for interessante, relevante, entender do produto, sabe entender a necessidade do cliente, observar de onde ele vem e o que deve apresentar para ele, ai sim podemos determinar de verdade a realidade do fato.
Mas nessa linha não compreenda isso como CRM, ainda existe uma questão que se fosse traduzir isso para o mundo real, deveríamos falar em treinamento, apresentação, PDV, gromming e outros itens apenas referentes ao fator pré compra/ consumo.
A geração da demanda, precisa ser atribuída a alguém, não acha? Acredito que colocar todo o processo de comunicação na geração da demanda, dentro da mesma “caixa”, seria um erro incrível e uma visão míope, sobre o que as etapas antes do internauta chegar no site e criar o “lead”.
Vamos esquecer a sua necessidade de compra, a indicação de amigos, o conhecimento de marca/ produto que este internauta já tem por histórico ou apresentação familiar, vamos deixar de lado a comunicação WOM, as mídia of line, os eventos em que a marca aparece, que geralmente estão relacionados ao interesse desse individuo, vamos ignorar por completo, o in-bound marketing, no qual este internauta interage com conteúdo da marca e com outros conteúdos relacionados, vamos não entender que este navegador do conteúdo digital, não lê nenhum tipo de conteúdo ou interage com ele, seja este conteúdo, notícias, entretenimento, negócios, viagens, blogs ou qualquer coisa que este passe o dia se informando, e que durante este período este cara seja impactado por banner ( por mais que alguns dizem que o banner não funciona) e ai depois de tudo isso, vamos dar somente o credito ao vendedor, que neste caso perde-se inclusive a importante do guia local, ou buscador, que entrega a melhor sugestão de opção para este cara que quer consumir algo, mas não devemos esquecer que a palavra que ele digitou para buscar tal item, passou por TODAS as interações acima descritas, então como disse, dar credito a o último item da linha, seria uma total miopia do processo de comunicação.
Quase como o ser humano, parafraseando o Lao, como dentro de uma mente finita, podemos explicar o infinito, esse turbilhão de dados, tecnologias e funções. Ainda precisam de um integrador e este por sua vez concorre seu tempo com outras 28 funções e com um dia de apenas 24horas, ou seja, dentro de um universo limitado, como podemos considerar um universo ilimitado???
É obvio que como em todo o processo, alguns querem cortar caminho, se aproveitar de comunicação de concorrentes que falham, tem as oportunidades de mercados descobertos, assim como oportunidades de PDV e diversas outras que ainda consistem em parte do SEM e SEO. Mesmo assim, temos ainda uma infinita quantidade de dados que merecem ser considerados na cadeia de conversão.