O Carrinho do Cachorro Quente Digital | Fit Media

Ultimamente recebemos muitos questionamentos e dúvidas de clientes e parceiros sobre o modelo de compra programática, benefícios e problemas.

Então participando de um palestra para alunos do curso de mídia online, que era iniciantes ainda nas discussões, sobre o universo digital, estava falando das sopas de letras que envolvem o landscape do digital, SSP, DMP, TDA, DSP, etc…

Foi ai que percebi nos olhos de cada um a dúvida e de como esta relação deveria ser diferente do simples links patrocinados que eles tanto ouvem falar.

Então pensei em uma analogia que foi mais ou menos assim:

Imagina que tem um jogo de futebol, e você tem um carrinho de cachorro quente, então pensando que a galera, em sua maioria vai sair do jogo com fome, você se coloca na saída com seu carrinho, ai todo mundo que sai com fome, você é a resposta imediata as necessidades desses caras, ou seja, você é o resultado dos links patrocinados para os milhões de pessoas que acessam o Google e digitam, restaurante, lanchonete ou algo parecido, certo?!!! Até aqui parece que todos entenderam.

Seu negocio via bem, até que abre um segundo carrinho do seu lado, ou seja o seu publico começa a se dividir, e o que precisa fazer para não perder clientes? Precisa melhorar serviços, ter diversidade de produtos, melhorar a visualização de do seu PDV, criar cartões de benefícios, cartões de fidelidades, vouches e cupons de descontos, mas isso tudo seu concorrente faz também, mas isso tudo se resume no SEM, SEO e eCRM, além dos itens tradicionais de produtos e serviços.

Perfeito, mas ai o que vai diferenciar os caras que saem do estádio com fome, entre escolher o seu carrinho ou dos outros 380 seguintes, já que todos estão bem semelhantes, você precisa criar marca, conceito, comunicação, então precisa aumentar a sua marca ou índice de preferencia dentro da cabeça de cada um, ou seja, quando o torcedor sai do estágio e vai direto no seu carrinho, não pode somente atribuir o sucesso dessa venda, ao fato de eles estar com fome e você foi o primeiro que viu, quando explode isso para o universo digital.

Então com a compra de mídia programática, podemos impactar o torcedor antes do jogo, entender por onde e com quem ele vai ao jogo, como ele vai, como mandamos para ele um voucher de desconto antes do jogo e mantemos ele informado durante o jogo o que podemos, isso podemos fazer com ferramentas, mas o importante é compreender que o resultado, não pode ser atribuído a somente um item do processo que é o fator “sorte”, sim a diversos itens da cadeia.

Então quando falarmos de last clic, ou modelos de atribuição no e-commerce entenda que o last clic nada mais é do que o seu carrinho, na frente de quem já esta com fome tentando comprar algo para comer e quando pensar na geração da demanda, convencimento, compra, experiência, já é um processo que não pode ser medido e mensurado por um único momento.

Deve atribuir que um internauta viu um outdoor, depois ouviu no rádio, depois viu um banner em um site, depois leu um conteúdo ou matéria de um blog, depois entrou no Google e buscou pelo produto e comprou, então esta atribuição de resultado somente para o “last click”, precisa ser melhorada, pensando nisso, dentro do Google Analytics, já existe uma seção de modelos de atribuições.

Grande abraço